Como devo trabalhar com o aluno autista a distância?

ALUNO AUTISTA
4 minutos para ler

Cada vez mais temos uma política inclusiva importante de não segregarmos o aluno autista, excluindo-o do convívio social pela sua condição. Diante disso, as escolas têm cada vez mais optado por incluir esses pequenos junto com os demais colegas.

Contudo, esse é um grande desafio para os professores, principalmente em uma realidade do EaD. Afinal: como ele deve trabalhar com o aluno autista a distância? Tire suas dúvidas a seguir.

Siga o ritmo da criança

Esse já é um ponto importante ao trabalhar com o aluno autista no dia a dia, até mesmo no ensino presencial. E isso ganha uma dimensão ainda maior à distância. Isso porque afinal, a própria necessidade do ensino à distância já representa uma quebra na regularidade, tão importante para a criança autista.

Por isso, é importante que você respeite o ritmo dela no dia a dia. Vai chegar algum momento no qual ela pode se esgotar e não render mais. Não adianta insistir, respeite esse momento.

Fracione as atividades

Fato é: para as crianças autistas, há uma dificuldade em entender que os dispositivos móveis (celulares e tablets) são para rotina de estudos e não para apenas a diversão. Afinal, na rotina delas, o momento de aprender sempre se deu pessoalmente e, como sabemos, são crianças que dependem de manter suas rotinas para evitar desconfortos.

Por isso, para não perdê-las durante as aulas, pode ser interessante fracionar as atividades para elas. Já é algo instituído que eles possuem um currículo diferente dos demais alunos, então esse fracionamento já seria esperado.

ALUNO AUTISTA

Tente manter uma rotina, mesmo à distância

Como ressaltamos ao longo deste artigo, a rotina é uma questão importante no dia a dia da criança (sendo um dos primeiros sinais de identificação para esse quadro). O fato dela não estar mais em sala de aula já representa uma quebra significativa. Por isso, quanto mais puder amenizar isso, melhor.

Por exemplo, pode ser importante manter os horários semelhantes aos que ela tinha em sala de aula. Com isso, há uma percepção menor de ruptura, já que, dentro do comportamento de maior rigidez, a criança já entenda que, naquele horário específico, é o momento no qual ela vai se dedicar a estudar.

Conte com o apoio dos pais

Os pais serão o ponto fundamental para trazer maior eficácia no processo educacional, porque eles são o ponto mais próximo da criança no dia a dia. Contudo, lembre-se, eles não são profissionais da educação.

Por isso, todas as orientações necessárias por parte dos professores auxiliam a como os parentes devem agir para trazer maior conforto para o momento de estudos das crianças. Por exemplo, você pode orientá-los para que tragam elementos lúdicos para o momento, o que pode ser mais interessante para que eles se dediquem às atividades.

Isso pode ser uma dica interessante, principalmente, porque estudos evidenciam que crianças autistas aprendem melhor quando executam atividades práticas ligadas ao conteúdo.

Ter um aluno autista é um desafio, mas é totalmente possível lidar com isso, com o conhecimento certo e adequado para a situação. E uma das formas para aprender a lidar com isso de forma acolhedora para as crianças é por meio da especialização focada em ensino para crianças autistas.

E nós, da Pólis Cursos, oferecemos essa especialização tão importante nos dias atuais. Saiba mais sobre ela e tire suas dúvidas.

Você também pode gostar

Deixe um comentário