Qual o papel da escola na inclusão do aluno com deficiência?

inclusão do aluno com deficiência
4 minutos para ler

Cada vez mais se torna importante tirar um estereótipo que vigorou por muito tempo na área de pedagogia: o aluno com deficiência não só pode, como deve fazer parte das escolas regulares. A escola tem um papel fundamental na inclusão dessa pessoa no dia a dia e, assim, garantir que eles possam passar não só pelo processo de aprendizagem, mas, também, de socialização, junto com outros colegas.

Mas quais são as funções da escola e dos profissionais de pedagogia neste processo? Veja a seguir alguns pontos importantes que você deve estar atento e tire suas dúvidas.

Auxiliar na socialização da criança com deficiência

Um dos principais pontos que a escola deve auxiliar na inclusão da criança com deficiência é em sua socialização. Afinal, esse é um ponto fundamental para o desenvolvimento intelectual e social nessa fase da vida.

E os professores têm o papel de auxiliarem nesse processo, não só incentivando, bem como facilitando os processos. Além disso, pode assumir o papel de mediador nos casos em que se torna importante resolver conflitos e minimizar ações que possam gerar preconceitos e discriminações.

Adequar o ensino para a situação da criança

O aluno com deficiência pode ter algumas limitações no dia a dia para o aprendizado, mas nada que impeça o seu convívio com os demais no dia a dia. Nesse caso, o papel da escola é realizar a adequação de currículo para a situação daquele aluno, de acordo com a sua deficiência.

Por exemplo, se é uma criança com deficiência auditiva ou na fala, é importante ter um intérprete de libras na sala, para que o conteúdo seja passado para ela. Se for um aluno autista, é importante conversar com os pais e compreender as dinâmicas daquela criança, adequando o ensino para ela de acordo com seu ritmo de aprendizado.

inclusão do aluno com deficiência

Evitar discriminações

A escola tem o papel, também, de educar para o convívio harmonioso e respeitoso com as diferenças. Não há motivos pedagógicos para a exclusão dessas pessoas na sala de aula regular e, portanto, esse momento pode ser utilizado para ensinar as crianças sobre o respeito às diferenças e evitar que se tornem pessoas preconceituosas no futuro.

Lembre-se, também, de não tornar os alunos com deficiência como algo exótico, o que pode gerar o efeito oposto. O processo do profissional é mostrar como essas crianças diferem delas, mas, em simultâneo, são tão parecidas com elas e, portanto, não precisam de tratamento diferenciado, apenas a adaptação para poderem conviver de forma harmônica com os demais.

Incentivar o convívio com a diversidade

Quando pessoas com deficiência são excluídas do convívio nas escolas regulares, isso pode gerar um afastamento de situações de diversidade. Afinal, eles estarão acostumados no dia a dia a conviver com pessoas que sejam semelhantes a eles em muitas questões.

A partir do convívio com pessoas com deficiência, muitos dos estereótipos que são feitos socialmente não vão ser aderidos na criança, devido a esse convívio que ela teve ao longo da vida com os colegas. Isso pode ser muito interessante para a formação pessoal delas.

Trazer ações inclusivas para os alunos

Ter um aluno com deficiência em uma escola regular é uma experiência interessante para quem deseja ensinar para os alunos sobre a importância de ações inclusivas no dia a dia e, também, para poderem aprender sobre questões importantes para seu dia a dia.

Por exemplo, você pode ensinar os alunos sobre a importância de aprender Libras com a presença de um aluno com deficiência auditiva em sala de aula. Afinal, essa é uma questão importante no dia a dia, permitindo que a comunicação entre pessoas com e sem deficiência ocorra de forma mais eficiente.

O aluno com deficiência pode e deve ser incluído em salas de aula regulares. Contudo, os professores responsáveis devem ter conhecimento especializado sobre como trazer isso de forma responsável para sala de aula.

Quer saber mais? Veja nossa especialização e saiba como ela pode contribuir para trazer o ensino inclusivo para a sala de aula.

Você também pode gostar

Deixe um comentário