Sala de aula invertida: conheça o método!

3 minutos para ler

Com os avanços tecnológicos, muitas áreas passaram a ter profundas mudanças nos tempos atuais. E na educação isso acelerou-se fortemente, principalmente, com a pandemia do novo coronavírus, que acentuou mudanças que estavam já em curso.

Uma das fortes tendências para os próximos anos para a pedagogia é a inserção da sala de aula invertida nas escolas. Também é conhecida por seu termo original, em inglês: flipped classroom. Saiba mais sobre o tema a seguir e tire suas dúvidas!

O que é a sala de aula invertida?

O conceito de sala de aula invertida está relacionado com um método de aprendizado no qual o aluno absorve seus conhecimentos fora do ambiente escolar. Ou seja, ele não precisa estar no ambiente escolar para aprender.

Ele utiliza uma série de materiais e ferramentas para este fim, entre elas:

  • videoaulas;
  • jogos;
  • trilhas de conhecimento;
  • bate-papo com professores e tutores;
  • livros;
  • textos didáticos, entre outros.

O professor continua tendo um papel fundamental aqui, contudo, há uma maior autonomia do aluno. Ele aprende as questões fora da sala de aula e esse ambiente torna-se um espaço para tirar dúvidas, debater questões e ter uma perspectiva mais coletiva, com todos debatendo, de forma horizontalizada, os conteúdos. Ou seja, dialoga bastante com a metodologia ativa, não é mesmo?

Quais os benefícios da sala de aula invertida?

A sala de aula invertida tem ganhado bastante força, principalmente, porque ela traz diversos benefícios para o dia a dia dos estudantes, professores e coordenação pedagógica. Estão entre os principais pontos positivos:

  • incentiva um processo de autonomia do aluno sobre seu conhecimento;
  • alimenta o debate crítico, incentivando que os alunos pensem para além do que aprenderam em casa;
  • traz uma possibilidade de ter um acompanhamento mais próximo de dificuldades individuais e, também, estar mais próximo de alunos com necessidades especiais, facilitando a educação inclusiva;
  • aumento do engajamento do aluno, que torna-se mais interessado no processo educacional;
  • maior tempo para diálogo e interação;
  • os debates aproximam os alunos;
  • como o processo de aprendizagem é mais ativo, autônomo e engajado, a tendência é uma melhora considerável no desempenho dos alunos.

Como adotar o conceito de sala de aula invertida?

Mas então, como trazer essa realidade para sua sala de aula? Um primeiro passo é fazer um planejamento prévio da adoção, com um plano pedagógico focado nesse conceito.

A partir disso, algumas dicas que recomendamos são:

  • selecione o material para os alunos;
  • opte por materiais de diversas fontes (vídeos, imagens, textos, áudio, podcasts, jogos, trilhas de conhecimento, plataformas de empresas especializadas, entre outros);
  • planeje os debates que serão levantados dentro de sala de aula;
  • considere agregá-lo com outras possibilidades, como metodologia ativa e ensino híbrido.

A sala de aula invertida é uma das muitas formas de trazer maior autonomia para o aluno em sala de aula. Por isso, se você quer modernizar suas práticas de ensino, pode ser interessante saber mais sobre este assunto.

Quer aprofundar sobre o tema? Confira nosso artigo com 4 dicas para aplicar o conceito e tire suas dúvidas!

Você também pode gostar

Deixe um comentário