Médico do futuro: conheça 4 tendências para os próximos anos!

médico do futuro
4 minutos para ler

Não é novidade que a tecnologia beneficia a assistência em saúde. Ela consegue atuar nos mais diversos aspectos do cuidado, como pesquisa, prevenção, tratamento e diagnóstico. Com tamanho impacto, como será que os avanços beneficiarão o médico do futuro?

A medicina curativa, focada no diagnóstico e tratamento da doença, tem dividido cada vez mais espaço com a abordagem preventiva. Nessa perspectiva, a tecnologia será essencial para oferecer maiores recursos, principalmente no âmbito de pesquisas.

Afinal, quais avanços serão essenciais e quais benefícios vão proporcionar para assistência? Confira 4 tendências abaixo e veja como ser um profissional alinhado com o desenvolvimento tecnológico!

1. Telemedicina

A telemedicina é um conceito já implementado, mas com grande potencial para abranger cada vez mais seu uso. Basicamente, consiste no uso de tecnologias de informação e de comunicação para mediar o cuidado em saúde.

Embora o pensamento de muitas pessoas se restrinja às consultas online, esse assunto ainda gera polêmicas e requer maiores discussões pelos órgãos responsáveis. Mas existe uma série de implementações possíveis, como laudos e monitoramento.

No primeiro caso, o compartilhamento de exames por meio de nuvem permite que especialistas possam fazer análise e laudo, independentemente da distância. Já o monitoramento permite acompanhar a condição de saúde dos pacientes, além de direcionar para o cuidado presencial, se necessário.

2. Inteligência artificial

Assim como a telemedicina, a inteligência artificial já vem sendo implementada em certa escala. O conceito de big data vem intrinsecamente associado, pois ele retrata a quantidade massiva de dados que a assistência em saúde gera.

A partir do dados obtidos, a inteligência artificial consegue transformá-los em informação, sendo tal aprendizado crucial para beneficiar a prática médica. O profissional consegue oferecer um cuidado mais personalizado, pois as informações geradas retratam melhor a realidade daquele paciente.

3. Robótica

Falando agora sobre hardwares, é possível ter um noção mais específica de como é a atuação da tecnologia. Na área de cirurgia, existem cada vez mais recursos a fim de auxiliar o cirurgião a realizar uma abordagem mais precisa e menos invasiva.

Mas não é só na cirurgia que a robótica pode atuar. Na verdade, a nanorrobótica também merece destaque, pois viabiliza uma melhor intervenção a nível celular. Imagine só como um tratamento seria mais efetivo caso o medicamento fosse liberado apenas no local de ação? Assim, vemos o papel crucial da tecnologia para as pesquisas, que acarretarão no cuidado mais qualificado.

4. Farmacogenômica

Por fim, ainda no âmbito de pesquisas, a tecnologia oferece recurso para maiores estudos no nível celular. Assim, é possível ampliar o conhecimento na genética, sendo isso fundamental para ver o impacto dos genes na saúde como um todo.

Mutações genéticas nos genes que participam de alguma forma da cascata da coagulação podem predispor para hemorragias ou mesmo formação de coágulos. Além disso, um acometimento nos genes das enzimas hepáticas pode alterar a toxicidade de um fármaco.

Diante de tantas possibilidades de atuação da tecnologia, cabe ao profissional acompanhar o desenvolvimento para ser um bom médico do futuro. As tecnologias de ponta muitas vezes podem gerar algum tipo de receio ou medo de substituição do ser humano. Porém, o mais importante é acompanhar tal evolução para que ela seja uma aliada ao cuidado, e não a única responsável por ele.

Que tal nos acompanhar em nossas redes sociais? Assim, você poderá ficar por dentro de diversos assuntos de saúde! Estamos no Facebook, https://blog.poliscursos.com.br/cuidados-paliativos/ e https://blog.poliscursos.com.br/cuidados-paliativos/!

Você também pode gostar

Deixe um comentário